sábado, 7 de setembro de 2013

Brasil: Dilma diz existirem «problemas urgentes» para resolver

Brasil: Dilma diz existirem «problemas urgentes» para resolver

A Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, afirmou na noite de sexta-feira, numa mensagem transmitida pela rádio e televisão por ocasião do Dia da Independência, que se assinala hoje, que existem "problemas urgentes" para resolver no país.

"O governo deve ter humildade e autocrítica para admitir que existe um Brasil com problemas urgentes a vencer e a população tem todo o direito de se indignar com o que existe de errado e cobrar mudanças", disse Rousseff, referindo-se às manifestações populares previstas para hoje por ocasião do 191.º aniversário da independência. 


A Presidente brasileira salientou, no entanto, que também há "um Brasil de grandes resultados" ao apontar o crescimento económico do país no segundo trimestre, de 1,5 %. 

"Não podemos aceitar que uma capa de pessimismo cubra tudo e ofusque o mais importante: o Brasil avançou como nunca nos últimos anos", constatou. 

Rousseff defendeu a necessidade de se acelerar o "ciclo de mudanças" ao apontar que o "povo quer, o Brasil pode e o Governo está preparado para avançar" neste sentido. 

"Apesar da delicada conjuntura internacional, a nossa economia continua firme e a superar desafios. Falharam mais uma vez os que apostavam num aumento do desemprego, inflação alta e crescimento negativo. O nosso tripé de sustentação continua a ser a garantia do emprego, a inflação contida e a retoma gradual do crescimento", acrescentou. 

A Presidente prometeu a manutenção do "equilíbrio fiscal, estímulo ao investimento e ampliação do mercado interno", recordando que este ano o Brasil registou 900 mil novas vagas de emprego e mais de 4,5 milhões desde o início da sua governação. 

A polémica contratação de médicos estrangeiros, a maioria cubanos, para o programa "Mais Médicos", foi abordada por Dilma Rousseff, que defendeu que a "chegada de médicos estrangeiros, que estão a ocupar somente os lugares que não interessam e não são preenchidos pelos brasileiros, não é uma decisão contra os médicos do país, mas a favor da saúde". 

"O Brasil deve muito aos seus médicos, mas o país tem uma grande dívida também com a saúde pública", defendeu. 

No seu discurso à nação, Rousseff destacou os "cinco pactos" propostos pelo Governo nos setores da saúde, educação, política fiscal, transportes públicos e reforma política como resposta à onda de protestos registada em junho no país e reconheceu que, apesar de o Brasil ter avançado em muitos campos, ainda é "um país com serviços públicos de baixa qualidade". 

"Mais que nunca, o Brasil está a aprender que o mais importante não é termos problemas. O importante é termos as soluções, e mais soluções estão a caminho. Faremos novos leilões de portos, aeroportos, ferrovias e rodovias, que vão injetar bilhões na economia, gerando milhares de empregos. Vamos também leiloar, em outubro, um imenso campo de petróleo do pré-sal, o Campo de Libra", indicou. 

Dilma apontou ainda que as riquezas do pré-sal devem revertidas a favor da educação.

Diário Digital com Lusa


Nenhum comentário:

Postar um comentário